ORATÓRIA – OS 12 ERROS MORTAIS DA ORATÓRIA

Tempo de leitura: 15 minutos

Oratória é a arte da falar em público, mas existem alguns erros mortais, confira!

Falar em público é uma super oportunidade de ser reconhecido e se destacar; falar em público é uma grande oportunidade de crescer na sua carreira e na sua vida profissional. O fato é que a oratória é uma habilidade aprendida e como tal pode ser desenvolvida não importa a idade da pessoa. Oratória é a habilidade de uma pessoa falar em público de forma assertiva, persuasiva e envolvente. E pensando nisso eu quero te fazer uma pergunta: “Quando você fala em público, você se destaca ou é mais um? Quando você fala em público você faz uma apresentação mediana ou UAU? Quando você fala em público você passa amadorismo ou profissionalismo?”.

Quando você fala em público, você se destaca? (Imagem: Divulgação)

Mas afinal… quais são os erros que DESTROEM sua apresentação? Aqueles que podem acabar com qualquer um de nós! Hoje, vamos falar sobre os principais erros que as pessoas cometem durante uma apresentação e é claro, vou dar algumas dicas para você não cometê-los mais e arrasar ao falar em público, e arrasar na sua oratória!

 

Erro número 1 – Começar a sua apresentação pedindo desculpas

A introdução precisa ser um momento poderoso, e pedir desculpas definitivamente, não é a melhor estratégia para isso! Mesmo que você tenha chego atrasado ou esteja rouco e praticamente sem voz, ou mesmo que o data show não funcione ou qualquer outro motivo: NÃO FAÇA ISSO! É melhor que você tome uma água, respire e se prepare para começar a sua apresentação da forma que planejou, causando o impacto que você esperava, dessa forma qualquer coisa desculpa será suprida pela sua belíssima introdução.

Não comece sua apresentação se desculpando! (Imagem: Divulgação)

No meu canal do Youtube tem vários vídeos onde falo sobre como você pode fazer uma introdução poderosa, mas pra você já começar a potencializar a sua habilidade de fazer uma introdução UAU confira a esse vídeo (e se você ainda não se inscreveu no meu canal do Youtube, sugiro fortemente que você o faça, pois tem mais de 400 vídeos gratuitos para o seu desenvolvimento).

Erro número 2 – Falar o tempo inteiro de si mesmo

É comum assistirmos apresentações em que a pessoa diz “Quando eu comprei isso”, “Quando eu fiz aquilo”, “Quando eu tinha 15 anos”, “Eu me formei em tal lugar”, “Eu já fiz esses cursos”… usar essas frases e falar sobre você o tempo todo é chato, na verdade é mais que chato, é péssimo! Ao falar em público um grande erro é o palestrante ficar falando o tempo de si mesmo; isso fará com que as pessoas percam o interesse pela sua apresentação. O público definitivamente não está ali para saber sobre a sua vida, sobre o que você já fez ou deixou de fazer, mas sim para saber como o seu conteúdo pode transformar a vida dele. Então, foque no público e não em você!

Eu não estou dizendo para você não se apresentar, eu não estou dizendo que você não pode falar nada sobre si, estou dizendo que o excesso é um erro! Ao falar em público, procure exemplificar as situações usando “personagens” ou outras pessoas, e se de repente a intenção for chamar a atenção do público, você pode exemplificar contando uma história e encaixando o público na situação.. isso será UAU!

Erro número 3- Falar difícil

Ao falar em público algumas pessoas confundem oratória com “chatotória” (eu sei que essa palavra não existe, mas é assim na vida real!!!), tem pessoas que gostam de rebuscar, de colocar muito enfeite na própria fala… sabe aquele tipo de pessoa que fala difícil? Pois é! Lembre-se que oratória é uma fala eficaz, lembre-se que ao falar em público a sua fala tem que ser acessível, todos que ouvirem o que você está dizendo (inclusive se não for o seu público alvo direto) tem que entender sobre o que você está falando.

A sua apresentação precisa ter uma linguagem acessível ao seu público! (Imagem: Divulgação)

Quero chamar sua atenção para o fato de que dominar o assunto não necessariamente é falar sobre ele de uma forma enfeitada com palavras difíceis. A não ser que você seja um advogado e esteja defendendo uma causa para um juiz, aí tudo bem! Agora, se inclusive você é um advogado e está falando para o júri e quer conquistar o júri, nem nesse caso vale a pena você falar difícil. As suas palavras precisam ser acessíveis. Lembre-se disso!

Erro número 4- Vícios de linguagem

Sabe aquelas palavrinhas que insistimos em colocar no começo, no final ou em qualquer lugar da frase? Imagine que eu estou fazendo minha apresentação e solto a seguinte frase: “Então, né, outro dia eu fui fazer uma viagem, né… e tinha muita lojas diferentes, né…  pessoas legais, né… foi muito divertido, né?”. Ahhhhhhhh!!!! Isso é um horror! A pessoa para de prestar atenção na sua fala e começa a contar quantos “nés” você falou! Isso é definitivamente um erro mortal na oratória!

Eu não sei se você se incomodou, mas o uso excessivo do “né” ou de outro vício de linguagem como o “tá”, “ok”, “entende”, entre outros, incomoda a muitas pessoas! Usar palavras como “né”, “tá”, “daí”, “entende?”, “tipo assim” não agregam em anda na sua apresentação. Risca os vícios de linguagem do seu vocabulário. E fale em público de forma impactante!

Erro número 5- Falar sem olhar ao público

Quando falamos em Oratória é importante você saber que você precisa olhar para o público para estabelecer conexão. Imagine que eu estou fazendo uma apresentação na qual você está presente com mais 9 pessoas na sala, e que durante todo o tempo da apresentação, eu fico olhando só para os slides ou para baixo… Você ia se sentir conectado comigo? Muitooo possivelmente que não! Pois durante toda a apresentação eu evitei olhar nos seus olhos e também, nos olhos do restante da audiência.Se você vai falar em público e quer que as pessoas prestem atenção em você, você precisará estabelecer contato visual!

O olhar conecta! (Imagem: Divulgação)

E por isso quero destacar, algumas possíveis situações que a pessoa não olha para o público:

  • quando tem slides e ela olha o tempo todo para o slide (inclusive, aqui vai mais um erro da oratória: fica o tempo todo olhando e lendo seus slides!);
  • quando ela olha o tempo para o texto que preparou (e fica lendo e explicando, sem levantar seus olhos ou se levanta é muito rápido, não dá tempo de gerar conexão);
  • quando fixa o olhar em algum ponto e fala o tempo todo olhando só para lá!

Ao falar em público, evite essas situações; lembre-se que olhar para o público gera conexão! Ah! E dica UAU… ao olhar, olhe para as pessoas que estão mais próximas de você, as que estão lá no fundo, olhe para todos os lados; alterne os olhares e mantenha sempre que possível o contato visual com o seu público.

Erro número 6- Falar palavras que não agregam

É comum vermos apresentações em que a pessoa usa a palavra “acho”. Por exemplo, se você fala durante uma apresentação a frase “Acho que esse conteúdo foi feito assim” ou “Acho que isso aconteceu em tal ano”, qual a credibilidade que você despertará no seu público? Nenhuma! Por isso, busque outras palavras que vão agregar mais ainda no seu vocabulário, passando a certeza do assunto e não uma dúvida. Combinado? Pegue a palavra: Acho e risque-a do seu vocabulário!

Falar palavras que não agregam na sua apresentação, é um erro mortal! (Imagem: Divulgação)

Troque-a por: “penso, observo, olho, acredito…”. Ah! E outra palavra que não agrega e você precisa evitá-la nas suas apresentações é a palavra “tentar”. Quando você tenta você abre as portas para o fracasso entrar: “Eu vou tentar ir na academia amanha cedo”, se uma pessoa fala isso, pode acreditar que qualquer desculpinha vai ser motivo para ela faltar na academia. Então, pegue a palavra “tentar” e risque-a também do seu vocabulário!

Erro número 7- Piadas sem graça ou preconceituosas

Ao falar em público, fazer piadas de forma geral já é algo delicado, pois o que é engraçado para um não é engraçado para o outro, ainda mais piada preconceituosa. Por isso, seja piada sobre loira, negro, português, japonês ou qualquer outro assunto, definitivamente não coloque-as na sua apresentação. Atenção: analise o público e se coloque no lugar deles ao escolher uma piada ou algo que você queira usar na sua apresentação com o objetivo de ser descontraído! E é claro, mantenha a sua essência, se você é uma pessoa bem humorada e essa característica cabe na sua apresentação, use-a!! Eu falo mais sobre isso no meu curso online “Efeito UAU – Apresentação”, mas agora já quer te dar uma dica de como manter o bom humor durante a sua apresentação; aliás manter o bom humor durante uma apresentação é uma estratégia importante (óbvio que sempre analisando o contexto)!

Dicas:

  • Uso de cenas de filmes: escolha a cena de um filme que se encaixa diretamente com o que você fala e coloque no meio da sua fala, mas lembre-se de contextualizar (não é explicar, é contextualizar);
  • Uso de músicas: música tem o poder de mudar o estado emocional de uma pessoa e pode passar uma mensagem de forma mais divertida e emocional! Essa dica super funciona!
  • Uso de dinâmicas e atividades prática: escolha uma atividade prática que agregará valor à sua apresentação e aplique-a com elegância!

Todas essas técnicas são peças chave para você ter momentos descontraído na sua apresentação. Mas cuidado, não é porque, esse será um momento mais leve e criativo, que não é estratégico e importante! Seja estratégico o tempo todo ao falar em público!

Erro número 8- Estourar o tempo da sua apresentação

Estourar o tempo da apresentação é um erro péssimo! (Imagem: Divulgação)

Se você tem dois minutos para falar, fale em dois minutos. Se tiver uma hora, fale em uma hora. Não extrapole o tempo da sua apresentação, isso é um desrespeito com o público e com o próximo apresentador que virá após a sua fala. Por isso é fundamental que você treine sua apresentação e a cronometre; e se por acaso durante o seu treino você ultrapassar o tempo estipulado, veja o que pode ser retirado ou então como você pode otimizar e ganhar tempo com sua apresentação, mas não ultrapasse o horário estipulado. Respeite isso! Estourar o tempo da sua apresentação é um erro péssimo!

Erro número 9- Confiar na sua memória

Não confie apenas na sua memória. Leve o seu material de apoio, leve suas anotações, o seu notebook, slides, ou qualquer outra coisa que possa servir de suporte caso eventualmente te der um branco. Veja bem, é diferente você ter o material em mãos pra te orientar caso aconteça um imprevisto, do que ler esse material o tempo todo! Lembre-se do erro número 5. Sabe, eu costumo utilizar slides nas minhas apresentações (e confesso que gosto muito, pois o uso dos slides super agregam no visual e na retenção das informações). Eu gosto muito e sempre que possível eu uso slides, pois eles inclusive me ajudam a gravar em qual momento eu preciso falar tal coisa!

Mas cuidado, não fique dependente dos seus slides, pois já aconteceu de eu estar dando um treinamento e acabar a energia no meio da apresentação. Na hora, eu improvisei, mas serviu de aprendizado para que eu levasse sempre o papel impresso caso fosse preciso. Portanto, não confie apenas na sua memória! Utilize alguns recursos que possam te auxiliar a lembrar da estrutura que você montou!

Erro número 10- Vícios de pausa

O que são os vícios de pausa? (Imagem: Divulgação)

Pode ser que você tenha lido duas vezes o subtítulo acima e pensando: “Como assim Gi… O que é isso? Vícios de pausa?”. Mas calma, vou te explicar!! Vicios de pausa acontecem quando você não respira no momento que deveria. Sabe quando uma pessoa vai pensar no que vai dizer logo em seguida e ela “ãhhhhh” emite um som?! Pois é! Isso é vício de pausa! Se você parar para pensar no que vai dizer, ao invés de emitir um som “ãhhhh” ou “éhhhhh” e simplesmente respirar no lugar… esse vício sumirá!

Quando você respira corretamente (inspira o ar pelo nariz e solta o ar pela boca) isso te ajuda a ter mais clareza e fluência nos seus pensamentos, o que diminuirá a chance de ter que ficar pensando no que falar no meio do seu discurso e então, correr o risco de ter vícios de pausa… Outro ponto importante, é que quando você fala você solta o ar e é impossível você inspirar (o ar entrar no seu corpo) e você falar ao mesmo tempo (o ar sair do seu corpo)! Por isso para se livrar do vício de pausa, que é um erro péssimo, um erro que tira a concentração do público e que passa uma imagem de despreparo por parte do apresentador e pior ainda, passa insegurança, enfim… para se livrar desse vídeo é simples, inspire!

Erro número 11- Voz de abajur

Se você pensou: “Voz de abajur? Oi? Isso existe?”… Calma, vou explicar!!! Sim, voz de abajur existe! Voz de abajur é quando ao falar em público você usa um mesmo tom de voz do início ao fim da sua apresentação, sem esboçar uma única alteração. E o erro está no fato de que fazendo isso, você vai acabar conduzindo seu público ao sono, mas um sono profundo! NÃO DEIXE ISSO ACONTECER!

Utilize sua voz, brinque com ela, alterne os tons quando for necessário e dê ênfase! Faça com que a sua apresentação seja ativa, com que sua voz seja ouvida por todo o seu público e que com isso você vai fixar ainda mais o conteúdo que está passando.

Erro número 12- Conclusão chocha

Uma conclusão poderosa agrega à sua apresentação! (Imagem: Divulgação)

Esse é um erro tenebroso da oratória! A conclusão chocha é o posto da conclusão poderosa! Conclusão poderosa é aquela que deixa a audiência com gosto de quero mais! A conclusão chocha é assim… Imagine uma apresentação que foi ótima, você não teve vícios de linguagem, nem vícios de pausa, você olhou para todos, falou com eloquência, passou confiança e aí lá na conclusão você mela tudo! Simplesmente, com uma frase você mela tudo, você estraga tudo o que foi dito anteriormente.

Quer saber como melar uma apresentação inteira? Vou te dizer: Quando alguém diz “Era isso o que eu tinha pra dizer”, definitivamente isso mata a sua apresentação. Ah! Mas pode ser pior ainda: “ACHO, que era isso o que eu tinha pra dizer”! Pelo amor…. não faça isso!!! A conclusão é um momento muito precioso da sua fala, capriche! No meu canal do youtube “Gislene Isquierdo Oficial” tenho alguns vídeos que podem te ajudar a fazer uma conclusão poderosa, mas de cara já quero te indicar esse aqui.

Evite esses erros, e lembre-se que falar em público é uma grande oportunidade e lembre-se também que a oratória é uma habilidade chave que pode ser desenvolvida!

 

Um forte abraço, Gi Isquierdo
Psicóloga & Master Coach – Especialista em destrave emocional
Crp 08/09186

Ps. Se quiser mais conteúdo sobre esse tema, faça o download do meu livro digital gratuito.

Comments

comments